Compartilhar

Conjuntivite é uma inflamação da membrana transparente (conjuntiva) que recobre toda a região branca do olho e a superfície interna das pálpebras. As principais causas podem ser:

 

• Conjuntivite Infecciosa: É o tipo de conjuntivite que comumente ocorre em surtos sazonais. É transmitida, mais freqüentemente, por vírus e pode ser contagiosa. O contágio se dá pelo contato. Assim, estar em ambientes fechados com pessoas contaminadas, uso de objetos contaminados, contato direto com pessoas contaminadas ou até mesmo pela água da piscina são formas de se contrair a conjuntivite infecciosa.

 • Conjuntivite Alérgica: é aquela que ocorre em pessoas predispostas a alergias (pessoas que têm asma, rinite ou bronquite, por exemplo) e geralmente ocorre nos dois olhos. Esse tipo de conjuntivite não é contagiosa, apesar de que pode começar em um olho e depois se apresentar no outro. Pode ter períodos de melhoras e reincidências, sendo importante a descoberta de seu agente.

• Conjuntivite Tóxica: é causada por contato direto com algum agente tóxico, como colírios, produtos de limpeza, fumaça de cigarro, poluição do ar, sabão, sabonetes, spray, maquiagens, cloro e tintas para cabelo.

 

Sintomas de Conjuntivite: É comum sentir durante a conjuntivite: sensação de areia, coceira, olhos vermelhos, fotofobia (sensibilidade à luz), inchaço nas pálpebras e secreção nos olhos.
Tratamento de Conjuntivitetratamento depende da causa. Medicamentos (pomadas ou colírios) podem ser recomendados para combater a infecção, aliviar os sintomas e o desconforto. Algumas recomendações podem ajudar:

  • Lavar as mãos com frequência. Essa medida é importante pois o principal vírus causador da conjuntivite, por ser não-capsulado, não morre com álcool a 70%;
  • Não colocar as mãos nos olhos para evitar a recontaminação;
  • Evitar coçar os olhos para diminuir a irritação da região;
  • Lavar as mãos antes e depois da aplicação do medicamento;
  • Não encostar o frasco do medicamento nos olhos;
  • Suspender o uso de lentes de contato.
  • Não compartilhar soro fisiológico. Recomenda-se a utilização de soro fisiológico individual ou, de preferência, soro fisiológico de forma descartável, de modo a evitar contaminação entre parentes e a recontaminação.
  • Evitar a auto-medicação, devido riscos de piora do processo inflamatório e possíveis complicações.

Compartilhar